Início do Ciclo de Palestras AEFML com "Humor em Medicina"

Este texto pertence à secção de Jornalismo livre, onde qualquer estudante, docente ou funcionário do ensino superior pode publicar novidades, entrevistas e outros textos jornalísticos.

A Associação de Estudantes da Faculdade de Medicina de Lisboa lançou o seu Ciclo de Palestras com uma sessão sobre “Humor em Medicina”.

Ciclo de Palestras AEFML 2011 – “Humor em Medicina”Ciclo de Palestras AEFML 2011 – “Humor em Medicina”No passado dia 5 de Janeiro, a Associação de Estudantes da Faculdade de Medicina de Lisboa, marcou o inicio do seu Ciclo de Palestras com uma sessão sobre “Humor em Medicina”. Marcaram presença os ilustres convidados Professor Doutor António Vaz Carneiro, Dra. Beatriz Quintella (Operação Nariz Vermelho) e o comediante Ricardo Araújo Pereira.

O primeiro prelector foi o Professor Doutor António Vaz Carneiro, que no seu conhecido tom jocoso, apresentou um conjunto de estudos científicos sobre os temas mais absurdos, como por exemplo “Como decidir a sua especialidade com base no modo de parquear o carro”.

Posteriormente, a Dra. Beatriz Quintella, presidente da Operação Nariz Vermelho, tomou a palavra, para explicar o que é ser médico – palhaço, num quiz interactivo, com direito a pastilhas Gorila e a transplantes de nariz, porque afinal “ser palhaço é uma forma de ver o mundo”.

O último orador a subir ao palco foi o comediante Ricardo Araújo Pereira, que na sua condição de filho de um hipocondríaco e de assíduo participante em campanhas de instituições como o IPO, nos brindou com o seu testemunho. Segundo o mesmo, o segredo do humor é simples e reside na consciencialização da morte, uma vez que “quanto mais cedo nos apercebemos da sua existência mais nos divertimos com a vida”.

Numa segunda parte, houve tempo para uma afável conversa de sofá, em que se foram delineando os limites e os meios de associação do humor à prática médica, humanizando-a.

A conclusão final foi simples: se é verdade que o humor não cura, é unânime que melhora imenso a qualidade de vida e, assim sendo, rir é mesmo o melhor remédio.